terça-feira, 17 de junho de 2014

Dou-te as últimas palavras do meu corpo caído
Do meu corpo vazio
Do meu corpo cansado
Dou-te os últimos sons que consigo emitir
Com os últimos sopros e a última voz
Para que o meu corpo desapareça
E a alma se esqueça de existir
Serei apenas ar no teu cérebro
E um pouco da tua respiração

Sem comentários:

Enviar um comentário