quarta-feira, 21 de outubro de 2015

último

Também partirei
Não sabendo para onde vou
Em asas partidas voo
Sobre casas particulares
Que de abandonadas
Já não se chamam lares
Partirei à descoberta
Porque sempre foi incógnita
A negrura da minha capa
Que me acompanha
Mesmo já não sendo estudante
Continuo a aprender
Por mim e em ti cidade
Como um ser deambulante
Que já não tem idade
Senão para te escrever


Sem comentários:

Enviar um comentário