terça-feira, 1 de julho de 2014

Hjälmaren

Ao pé do grande lago longínquo
Vive um homem como igual
Corre o mesmo sangue nas suas palavras
Lusitano sangue de Portugal
Poemas que chegam longe
São a realidade de que o que está perto é sempre igual
Fado nosso compreendido
Sofrimento ritmado
O Português  um mundo perdido
Um imigrante, um retornado


Sem comentários:

Enviar um comentário