quarta-feira, 18 de junho de 2014

Dar tempo ao tempo

O tempo sufoca-nos na pressa da realização
Com soldados de ponteiros na mão
E juízes martelando os segundos
O tempo sufoca-nos a vontade
Com a sua forma de labirinto
E espelhos de distrações
O tempo não chega para nos aconchegar
Nesta noite onde o sono se perde no pensamento
Do que se poderia fazer
Se o tempo tivesse tempo para falar

Sem comentários:

Enviar um comentário